Segunda-feira, 31 de Março de 2008
Diogo Pires Aurélio e Maquiavel: «Maquiavelismo é o que dizem de Maquiavel os seus adversários »
31 Março, 2008


Diogo Pires Aurélio, professor na Universidade Nova de Lisboa, é o coordenador da colecção Clássicos da Política (Círculo de Leitores), que já publicou Platão (O Político) e Cícero (Tratado da Repúbica) e incluirá Maquiavel, Espinosa, Richelieu, Marx, Burke ou Fichte. Diogo Pires Aurélio, que é também assessor do presidente da República, declara-se admirador de Maquiavel e é entrevistado no próximo número da LER. Um extracto:

«O que o interessa mais em Maquiavel?
O estilo. Quando digo estilo, não me refiro apenas à roupagem com que as ideias se apresentam e que faz de Maquiavel um clássico. Refiro-me à vibração que transparece em cada uma das suas narrativas e em cada uma das suas frases, todas animadas por um ritmo, uma imaginação sensorial que nunca é pastosa, pelo contrário, mantém o leitor permanentemente em sobressalto. Porque há um Maquiavel soterrado por debaixo dos milhares de traduções apressadas e interpretações enviesadas. Quem se der ao trabalho de raspar todas essas camadas de entulho e for ao próprio texto, descobre a maravilha que é um autor a pensar a política, tal como ela é, a partir do bulício da rua. Ao lado dele, toda a história do pensamento político tem um ar de medicina para anjos, os quais, como se sabe, não têm corpo.
É sempre necessário distinguir Maquiavel do «maquiavelismo»?
Convém, até porque o «maquiavelismo» se confunde com aquilo que dizem de Maquiavel os seus adversários. E não são poucos, como se sabe, tanto os teólogos da velha guarda, que o abominam mas copiam – veja-se Richelieu! –, como essa espécie de adventistas do sétimo dia que actualmente nos asseguram que há um mundo sem conflitos, sem estados e sem poder, à nossa espera, um mundo que as Nações Unidas vão decretar amanhã, ou que a multidão há-de implantar depois de amanhã. Ao criticar Savonarola, esse fundamentalista que incendiava Florença com os seus sermões, Maquiavel estava antecipadamente do outro lado, do lado dos que vêem na política o único remédio para regular a coexistência entre indivíduos e povos, coisa que será sempre difícil e arriscada.»

publicado por Ler às 10:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Bolaño
31 Março, 2008
Quando Roberto Bolaño é publicado de novo em Portugal (pela Teorema), vale a pena ler esta crítica do Magazine Littéraire.

publicado por Ler às 10:53
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Paulo Teixeira Pinto na edição
31 Março, 2008
A notícia estava guardada há umas semanas,  mas vale a pena lembrá-la: a entrada de Paulo Teixeira Pinto (ex-BCP  Millenium) na Guimarães Editores.

publicado por Ler às 10:49
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
John Ashberry, um guia de leitura
31 Março, 2008

«John Ashbery, a poet for our times», é o título do artigo de

publicado por Ler às 10:42
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Posts recentes

João Ubaldo: a voz

Adeus a João Ubaldo

Finalmente num só volume:...

Um cartão do clube de e-b...

Paixão pelos livros, sim ...

Geoff Dyer sobre a fenome...

Nadine Gordimer: as leitu...

Uma boa ideia para ver qu...

Chandler aos nossos pés

Simona entre os jacarandá...

Assinaturas
Faça já a sua assinatura aqui.

Contacto

Notícias, rumores, invenções e impropérios para ler@circuloleitores.pt

Pesquisar
 
Lido e publicado

1. Os 50 autores mais influentes do século XX.
2. Dez cidades para visitar com livros debaixo do braço.
3. Charles Darwin, 200 anos depois.
4. «O Magalhães é o maior assassino da leitura em Portugal.»
5. Última entrevista de António Barahona.
6. Inéditos de Fernando Pessoa.
7. John Milton por João Pereira Coutinho.
8. «O meu mal é ter uma curiosidade de puta.»
9. Entrevista Luis Sepúlveda.
10. «Já quase pareço um escritor.»
11. Entrevista Eduardo Lourenço.
12. Breve Introdução à Teoria Literária.
13. Agustina, a indomável.
14. Trinta livros do PNL.
15. Entrevista A. M. Pires Cabral.
16. Dinis Machado: «Só quis escrever um livro».
17. Retratos de um Nobel.
18. Os últimos e-mails de Stieg Larsson.
19. Os 200 anos de Edgar Allan Poe.
20. Knoxville, o território de McCarthy.
21. O bibliotecário ambulante.
22. Dez escritores europeus que (já) mereciam ser traduzidos em Portugal.
23. Entrevista Mia Couto.
24. Entrevista Vasco Pulido Valente.
25. Inéditos Vinicius de Moraes.
26. Os heterónimos de Eduardo Lourenço

Ligações
Arquivo

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

blogs SAPO
Subscrever feeds