Terça-feira, 30 de Setembro de 2008
A poucos dias de Frankfurt...
30 Setembro, 2008

Como recorda o Blogtailors, faltam 15 dias para a Feira do Livro de Frankfurt. Paulo Ferreira e Nuno Seabra Lopes já confirmaram a sua presença e prometem a cobertura de um dos principais eventos editoriais do mundo no seu blogue. A acompanhar com atenção.

 

Cartaz da edição de 2000.

Tags:
publicado por Ler às 17:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Brasil: a pharmácia e o acordo ortográfico
30 Setembro, 2008

«Lembro que minha querida avó morreu escrevendo farmácia com 'ph' e nem por isso eu errava de estabelecimento comercial quando ela me escrevia bilhetes pedindo meu netinho, vá à pharmácia e compre tal remédio», afirmou hoje à agência Lusa António Carlos de Moraes Sartini, director do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, um dia depois de Luiz Inácio Lula da Silva ter promulgado o acordo ortográfico.

publicado por Ler às 16:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Diário alucinado de Calcanhoto
30 Setembro, 2008

A crise de pânico vivida no fim de Maio, durante uma digressão por Portugal para apresentar o disco Maré, está na origem do primeiro livro em prosa de Adriana Calcanhoto. Saga Lusa, editado pela estreante Cobogó, «é, antes de tudo, um relato salvador, expelido do desespero de quem, enquanto escreve, grita para ser lido», pode ler-se no Jornal do Brasil. O livro será lançado na Casa Fernando Pessoa em Novembro.

Tags:
publicado por Ler às 11:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008
Mário Cláudio premiado por Camilo Broca
29 Setembro, 2008

Mário Cláudio venceu hoje, por unanimidade, o Prémio Fernando Namora/Estoril-Sol com o seu romance Camilo Broca (Dom Quixote).

Tags:
publicado por Ler às 21:42
link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos
Adolfo Casais Monteiro na BN
29 Setembro, 2008

Uma Outra Presença, mostra bibliográfica de Adolfo Casais Monteiro (1908-1972), abre amanhã ao público na Biblioteca Nacional, em Lisboa. Até 29 de Novembro. Entrada livre.

publicado por Ler às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Obra de Machado de Assis em formato digital
29 Setembro, 2008

O Ministério da Educação brasileiro digitalizou a obra completa de Machado de Assis. O resultado pode ser avaliado no portal Domínio Público.

publicado por Ler às 18:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
O cómico machadiano, por Abel Barros Baptista
29 Setembro, 2008

«A história do casamento de Maria Benedita é curta; e, posto Sofia a ache vulgar, vale a pena dizê-la. Fique desde já admitido que, se não fosse a epidemia das Alagoas, talvez não chegasse a haver casamento; donde se conclui que as catástrofes são úteis, e até necessárias. Sobejam exemplos; mas basta um contozinho que ouvi em criança, e que aqui lhes dou em duas linhas. Era uma vez uma choupana que ardia na estrada; a dona — um triste molambo de mulher — chorava o seu desastre, a poucos passos, sentada no chão. Senão quando, indo a passar um homem ébrio, viu o incêndio, viu a mulher, perguntou-lhe se a casa era dela.
— É minha, sim, meu senhor; é tudo o que eu possuía neste mundo.
— Dá-me então licença que acenda ali o meu charuto?
O padre que me contou isto certamente emendou o texto original, não é preciso estar embriagado para acender um charuto nas misérias alheias. Bom Padre Chagas! — chamava-se Chagas. Padre mais que bom, que assim me incutiste por muitos anos essa ideia consoladora, de que ninguém, em seu juízo, faz render o mal dos outros; não contando o respeito que aquele bêbado tinha ao princípio da propriedade — a ponto de não acender o charuto sem pedir licença à dona das ruínas. Tudo ideias consoladoras. Bom Padre Chagas!»


Eis o capítulo XCVII — todo ele! — de Quincas Borba (1891), o romance de longa elaboração que Machado de Assis publicou depois de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881). Presta-se fácil a exemplificar o cepticismo ou o pessimismo que décadas de tradição imputaram à obra machadiana; entretanto, algum candidato a integrar a ortodoxia actual, em lhe calhando o passo no exame de admissão, pegaria do charuto e discorreria sobre o comportamento impiedoso das elites brasileiras e a não menos impiedosa, posto obscura, crítica machadiana. É a desgraça da fortuna crítica de Machado de Assis: quando os críticos não estão ocupados a demonstrar-lhe a genuína «brasilidade», julgam valorizá-lo como mestre no desmascaramento da mesquinhez e da maldade humana. A ironia reina, mas é vulgar: para uns, ironia moralista, que castiga o vício na dobra de uma oração subordinada; para outros, ironia ideológica, que finge agradar à classe dominante para melhor a denunciar. Mas o que se obscurece é o súbito da interrupção através da qual o «contozinho» e respectivo comentário irrompem num curso já orientado para outra finalidade. Ironicamente, com a ironia, figura fácil, obscurece-se o principal, que é o cómico.
O cómico é coisa que se apresenta e de apresentar: vive do aparecimento, súbito e inesperado, característica que partilha com os fantasmas e os sismos. Daí que, nos livros de Machado, seja antes do mais uma peripécia de composição: o capítulo que acaba de repente ou nem chega a começar, o capítulo vazio ou que sem propósito legível, o capítulo que integra a sequência do passo que a interrompe. Brás Cubas dizia de um dos seus capítulos de meia dúzia de linhas e aliás na última delas: «Mas este capítulo não é sério.» Nenhum capítulo é sério quando o movimento da composição permite e até produz o enxerto de histórias como aquela do incêndio e do charuto. Ali, o efeito da interrupção não depende da inteligibilidade da sequência que integra nem da inteligibilidade da história nela inserida: depende do inesperado e do despropósito. Trata-se de perceber a piada, no preciso momento do seu aparecimento, sem recordar o que ficou e sobretudo sem querer saber do que está para vir. O inesperado da interrupção torna-se cómico quando não precisa de nenhum propósito. Há, aliás, outra passagem do romance que esclarece isto. Sofia vê cair o carteiro que lhe trouxera uma carta e desata a rir. O narrador concede que o riso era inoportuno e contrastava com a noite mal dormida, o desassossego, o medo de ser difamada; mas afirma que, se leitora o não entende, é porque, «senhora minha, com certeza nunca viu cair um carteiro». E remata: «Às vezes, nem é preciso que ele caia; outras vezes nem é sequer preciso que exista. Basta imaginá-lo ou recordá-lo. A sombra da sombra de uma lembrança grotesca projeta-se no meio da paixão mais aborrecível, e o sorriso vem às vezes à tona da cara, leve que seja — um nada.» É uma das melhores descrições do modo cómico do capítulo na estrutura dos livros de Machado.
O cómico machadiano é decerto irónico: o que através dele se diz não é alguma coisa que é necessário dizer, é o exemplo de alguma coisa que é possível dizer. E por isso também é filosófico: qualquer coisa se pode dizer, mas é sempre certa coisa em vez de outra, contra outra ou excluindo outra, estando na própria escolha do que se exclui o cerne singularizador da ficção. Voltemos ao «contozinho». Contado para ilustrar a utilidade e a necessidade das catástrofes, o narrador retira dele outra exemplaridade, a do propósito com que o padre Chagas a contou, duplicando a piada da história com a piada do comentário. A brincadeira consiste em presumir um texto original e sugerir que o padre o redescreveu com o fito de veicular a ideia consoladora de  que «ninguém, em seu juízo, faz render o mal dos outros». Ora o padre pode ter determinado a causa da situação, mas não extirpou dela o escárnio. A bem dizer, tornou-o até mais cruel, sendo mais improvável, mais inesperado, porque alheio aos cálculos de algum sujeito. A inconsciência do bêbado acaba mais aterradora do que a suposta crueldade do sóbrio… Dir-se-ia então haver uma oposição entre o escárnio original — ou natural: «a natureza é às vezes um imenso escárnio», escreve Brás Cubas a respeito da sua Vénus coxa — e o propósito, afinal baldado, de o redescrever de acordo com alguma explicação consoladora.
Ora o cómico machadiano abunda em explicações, porém subtrai-lhes o propósito consolador. Pelo contrário: detecta e realça discrepâncias e incongruências, acasos e acidentes, e deixa a nu a falta de finalidade. Não formam, essas explicações, uma filosofia — são genuínos despropósitos, a valorizar nessa mesma qualidade. O mais conhecido deles, a Pandora que aparece no delírio de Brás Cubas, é a paródia negra de todas as figuras providencialistas, incluindo o intelligent design: mãe e inimiga, causa o sofrimento e o desejo de viver. Os romances de Machado não se ocupam do homem brasileiro nem da «natureza humana»: são inquirições da modernidade. Inquirições dum espírito antimoderno, no sentido em que o definiu o americano Marshall Berman, num livro luminoso, All That Is Solid Melts into Air (1982): «Dir-se-ia que para ser inteiramente moderno é preciso ser antimoderno: desde os tempos de Marx e Dostoievski até ao nosso próprio tempo, tem sido impossível agarrar e envolver as potencialidades do mundo moderno sem abominação e luta contra algumas das suas realidades mais palpáveis. Não surpreende, pois, que, como afirmou Kierkegaard, esse grande modernista antimodernista, a mais profunda seriedade moderna deva expressar-se através da ironia.» Partilhando, então, a desconfiança em relação ao progresso, ao sentido, à ciência, Machado percebe a liberdade de redescrever a vida em novas condições, mas recusa radicalmente a consolação da inteligibilidade.
O cómico é essa recusa: o cómico machadiano, além de antimoderno, é antitrágico. A sua expressão mais radical é a encenação de uma tragédia no subtil palco que a destrói implacavelmente: o extraordinário Dom Casmurro, o romance em que Bento Santiago, autor ficcional e autobiógrafo, procurar ordenar os capítulos da sua vida. O erro de Bento Santiago tornado Dom Casmurro não foi o ciúme, nem a suspeita associada, mas a fraqueza que não lhe deixou resistir ao trágico. A mais de meio do livro, Bento Santiago desata a escrever como se, no repertório das histórias, não houvesse para ele senão uma história possível, a trágica. O resultado é idêntico ao do padre Chagas: sozinho, sem autoridade que lhe confirme a história que elaborou, por essa via tornada mero exemplo de história que é possível contar, e a sua aventura de escrita mero exemplo de um modo, um mau modo de usar a liberdade de redescrever as histórias da própria vida, acaba com um simulacro de tragédia, para sempre incapaz de saber o que se passou. Fica o livro, claro: que se apresenta - e escarnece, o brejeiro!

 

Texto publicado (numa versão ligeiramente maior) na edição de Setembro da revista LER, assinalando o primeiro centenário da morte de Machado de Assis. Ilustração de Pedro Vieira.

 

Dossier especial e obrigatório sobre o centenário no Estadão.

Tags:
publicado por Ler às 16:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Lobo Antunes on the road, 2
29 Setembro, 2008

Desta vez, é Rui Cardoso Martins que conta como foi a digressão de António Lobo Antunes pelos Estados Unidos. No Público de hoje.

publicado por Ler às 12:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Literatura portuguesa em exposição na Gulbenkian
29 Setembro, 2008

A Fundação Calouste Gulbenkian inaugura amanhã Weltliteratur – Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o Mundo!. Comissariada pelo professor universitário António M. Feijó e desenhada pelos arquitectos Francisco e Manuel Aires Mateus, a exposição possibilita uma viagem pela literatura portuguesa do século XX. Até 4 de Janeiro de 2009.

 

Durante os meses em que decorre a exposição, o Auditório 3 da Fundação Gulbenkian será palco de um ciclo de conferências. Lista completa aqui. A entrada é livre.

publicado por Ler às 11:22
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Memórias de Le Carré
29 Setembro, 2008

«I carried my first 9mm automatic Browning when I was 21 years old.» É assim que John le Carré começa o seu texto publicado no Telegraph.

Tags:
publicado por Ler às 10:55
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Segredos da Casa Branca
29 Setembro, 2008

Primeiro capítulo do novo livro de Bob Woodward: The War Within, A Secret White House History 2006-2008 (Simon & Schuster).

publicado por Ler às 10:40
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
400 anos de John Milton
29 Setembro, 2008

A 9 de Dezembro cumprem-se os 400 anos do nascimento de John Milton (1608-1674), mas as homenagens já começaram, como recorda o New York Times. A Livros Cotovia editou há dois anos Paraíso Perdido (tradução de Daniel Jonas).

publicado por Ler às 10:20
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008
Lobo Antunes on the road
26 Setembro, 2008

João Céu e Silva acompanha a digressão de António Lobo Antunes pelos EUA. Relato escrito no Diário de Notícias.

publicado por Ler às 12:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Crónica de Francisco Belard
26 Setembro, 2008

 

 

                                                            ESCRAVOS

 

Quando nos começamos a esquecer de um assunto, há uma comemoração: artigos, livros, exposições. É útil para muitos factos e figuras, à falta de melhor mecanismo. É o caso da história da escravatura, que não se sabe quando começou (talvez logo à saída do Paraíso), mas que não acabou. Em 2007 celebrou-se o bicentenário da abolição do tráfico negreiro pelo Reino Unido, no século XVIII o maior responsável pelo mesmo, mas que no século seguinte o proibiu e fez com que outras potências marítimas seguissem o exemplo. Além de argumentos morais, religiosos e económicos, os britânicos usaram a armada mais forte do mundo, apesar disso só eliminando uma percentagem baixa do tráfico no século XIX. Os EUA acabaram com a escravatura interna após a Guerra Civil e o Império do Brasil pôs-lhe termo oficialmente em 1888.
As consequências desse sinistro comércio, e do «modo de produção» a que se destinava, não acabaram de repente por via legislativa e acções de polícia. Basta observar algumas sociedades americanas, principais destinatárias da hemorragia a que a África foi sujeita (tendo a procura estimulado a colaboração de reis e chefes locais), para verificar diferenças de estatuto social e político em que ainda se repercute a escravatura, muito depois de proclamada a igualdade jurídica. Mas a mudança nas instituições e práticas britânicas a partir de 1807 abalou fortemente um sistema em que, até 1838, as colónias inglesas das Caraíbas tinham uma das maiores concentrações de escravos das Américas. Até então, europeus e americanos brancos tendiam a achar natural a existência de escravos nos seus países e colónias. Isto e muito mais é narrado por James Walvin (da Universidade de York) em Uma História da Escravatura (Tinta-da-China, 2008, tradução de A Short History of Slavery, 2007). Acentua o papel das campanhas abolicionistas, mas percorre o fenómeno desde a Antiguidade «clássica» e a Idade Média, fala da escravatura no islão (o que é raro, mesmo em capítulo breve) e documenta como objecto central o que se passou no Atlântico Norte nos séculos XVIII e XIX. No epílogo lembra que a escravatura se mantém em países africanos e asiáticos e (inflectindo a sua posição inicial de historiador) que «a Alemanha nazi» e «a Rússia estalinista do tempo da guerra» não só usaram
trabalho escravo como os seus regimes assentaram largamente nele. A ignomínia do sistema esclavagista moderno, a que se associaram Estados da Europa Ocidental (na Oriental existiu outra espécie de servidão) e seus continuadores nas Américas, é exemplificada sem excessos sensacionalistas. A descrição de como os escravos eram transportados e a referência ao cheiro horrível dos navios negreiros bastam para elucidar-nos. Momentos do processo, ecos actuais e sequência comemorativa surgem no dossier que a revista África 21, com sede em Luanda e à venda em Portugal, publicou no nº 9 (Setembro de 2007), com artigos de Conceição Lima, Itamar Souza, João Carlos, Jonuel Gonçalves e António Melo. Alude a museus e «lugares de memória» em diversos países, sobretudo na África Ocidental, em que o passado português não pode ficar bem. É o caso do memorial na ilha de Gorée, no Senegal.
É forçoso notar que os discursos africanos sobre a escravatura costumam limitar-se aos crimes europeus, omitindo a acção de países muçulmanos, «árabes» ou não, no comércio negreiro e na servidão em geral. A escravatura, anterior ao islão, expandiu-se com este, como observa Walvin, e em vastas áreas manteve-se até ao século XX e mesmo XXI (a Mauritânia só a aboliu em lei de Agosto de 2007). Marc Ferro, em pelo menos dois livros, já comentara a frequente omissão de que o tráfico de negros para o mundo árabe precedera de sete séculos o iniciado por europeus no século XV. Livros como White Gold, de Giles Milton (2004), relatam o comércio magrebino de escravos europeus brancos e de africanos negros, até ao século XIX. As capturas chegavam a ser feitas no litoral da Irlanda (ou na nossa ilha do Porto Santo). Mas o estudo mais surpreendente, amplo e actualizado é porventura o do antropólogo e islamólogo Malek Chebel, L’Esclavage en Terre d’Islam (Setembro de 2007), sobre «um tabu bem guardado». Essas obras não são o reverso da medalha referida pela competente síntese de Walvin; são o resto dela.

 

Crónica publicada na edição de Setembro da LER. Ilustração de Pedro Vieira.

Tags:
publicado por Ler às 12:37
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Segovia não é assim tão longe...
26 Setembro, 2008

Começou ontem a terceira edição castelhana do Hay Festival.

publicado por Ler às 10:58
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Livro da trilogia de Llansol lançado em Espanha
26 Setembro, 2008
A Restante Vida, segundo volume da trilogia Geografia de Rebeldes, de Maria Gabriela Llansol, acaba de ser lançado em Espanha na colecção de ficção da editora Cultiva Comunicación.

 

«Provavelmente, a Gabriela Llansol será – penso eu – o próximo grande mito literário português. A escrita dela é fulgurante. Não há nada que se possa comparar àquilo». Eduardo Lourenço em entrevista publicada na edição de Setembro da LER.

 

Nota: Por lapso, os títulos dos livros aqui mencionados não eram os correctos. A correcção está feita. Pedimos desculpas aos nossos leitores.

publicado por Ler às 10:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008
Capa LER de Outubro
25 Setembro, 2008

Aí está a primeira peça do puzzle. Quem é, desta vez, a figura de capa?

publicado por Ler às 17:03
link do post | comentar | ver comentários (86) | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008
Romance de Cristovão Tezza ganha Jabuti 2008
24 Setembro, 2008

O Filho Eterno, de Cristovão Tezza (Record), venceu o Prémio Jabuti 2008 na categoria de romance. Lista dos restantes vencedores aqui.

publicado por Ler às 16:55
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Cardoso Pires às voltas por Lisboa
24 Setembro, 2008

A Câmara Municipal de Lisboa vai assinalar os dez anos da morte de José Cardoso Pires com uma programação variada em Outubro.

publicado por Ler às 16:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
José Dias de Melo [1925-2008]
24 Setembro, 2008

O escritor açoriano Dias de Melo morreu hoje, aos 83 anos, no Hospital de Ponta Delgada.

publicado por Ler às 16:34
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Terça-feira, 23 de Setembro de 2008
Manuscritos medievais digitalizados
23 Setembro, 2008

A Universidade de Manchester prepara-se para digitalizar a maior parte da sua colecção de manuscritos medievais. O resultado poderá ser avaliado no fim de 2009.

publicado por Ler às 19:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Duelo à francesa
23 Setembro, 2008

É a nova sensação da temporada literária em França. Ennemis Publics será publicado no início de Outubro e reúne a correspondência entre Michel Houellebecq e Bernard-Henri Levy.

publicado por Ler às 19:28
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Palavras Andarilhas em Beja
23 Setembro, 2008

Entre 25 e 28 de Setembro, as «Palavras Andarilhas» regressam à Biblioteca Municipal José Saramago, em Beja. Programa completo aqui. Actualização permanente no blogue.

Tags:
publicado por Ler às 17:50
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sucesso garantido...
23 Setembro, 2008

A nova sugestão de leitura de Oprah Winfrey: The Story of Edgar Sawtelle, de David Wroblewski.

Tags:
publicado por Ler às 10:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Colóquio sobre Machado de Assis
23 Setembro, 2008

No dia em que se cumprem cem anos sobre a morte de Machado de Assis (29 de Setembro) começa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, um cóloquio internacional sobre o autor de Dom Casmurro. Abel Barros Baptista, especialista em literatura brasileira, e o poeta e ensaísta Helder Macedo são alguns dos oradores convidados.

 

Nesse mesmo dia, a Casa Fernando Pessoa organiza uma maratona de oito horas de leitura de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Iniciativa aberta ao público.

Tags:
publicado por Ler às 10:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Saul Bellow por Rui Zink
23 Setembro, 2008

O ciclo Asas Sobre a América regressa dia 25 de Setembro, às 18h30, na Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. O escritor Rui Zink fala sobre o escritor Saul Bellow.

Tags:
publicado por Ler às 09:54
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 19 de Setembro de 2008
Crónica de Abel Barros Baptista
19 Setembro, 2008

 

                                                         CÓLICA VERBAL

O desânimo incurável caracteriza uma casta de escribas. Distraem-se, e a gente apanha-os a dizer que vão deixar de escrever porque ninguém os lê. Eu próprio já me distraí assim várias vezes. Os blogues incrementaram o número de rebentos desta casta, dando-lhes meio fácil de escrever e de deixar de escrever, ou melhor, de publicar e de deixar de publicar — ou ainda melhor: de dizer que vão deixar de publicar, anunciando ao mundo que hoje, amanhã o mais tardar, já ali não estão, porque, enfim, já vêem, a minha vida não é isto, don't quit your day Job, etc. Patético, caraças! Mas inocente. Como aliás tudo o que gesticula a pedir não mais do que pouquinha atenção. Somos a casta inocente, e além disso benéfica, perdão, benigna. A pior, verdadeiramente maligna, é a dos que deixam transparecer em cada linha a noção engastada de que certo número de pessoas, de todo indeterminadas (como convém ao público), anseiam pelo que escrevem. E então chegam-se à frente a fazer habilidades. Um tédio. Podia alinhar vários exemplos sem necessidade de consultar apontamentos. Limito-me a dizer que os blogues incrementaram muitíssimo os rebentos desta outra casta. Não anunciam que fecham amanhã; quando muito encerram este modesto blogue e abrem aquele, mais modesto mas novo. A mostrar versatilidade. Fica bem a versatilidade. Fulano é muito versátil, diz-se. E Fulano, vaidoso... Fulana é muito versátil, e a coisa azeda, porque o feminino vai menos bem com certas qualificações. Raia a brejeirice, quando não entra na grosseria. Curiosamente, porém, há muitos exemplos de mulheres nascidas para o público nesta segunda casta. Não sei se lhes posso chamar publicistas. Era o nome que em tempos se dava a quem vivia de publicar. O publicista, a publicista — tal como o artista, a artista. Homem ou mulher, serve para os dois. Chama-se aliás isso mesmo, «substantivo uniforme comum de dois». Diferente do «substantivo uniforme epiceno», um só género para designar macho e fêmea de animais (o porco-espinho, o golfinho, a girafa), e diferente do «substantivo uniforme sobrecomum», um só género para designar pessoas: o algoz é sempre masculino, mas a testemunha é sempre feminina. Vítima também é sempre nome feminino, e aliás fica peculiar frase como: «A vítima é um homem de quarenta anos, que a mulher abateu a tiro enquanto dormia.» Não se sabe quem dormia, se a vítima se a mulher, mas sabe-se que são ambos femininos, e cônjuges, nisso portanto masculinos. Coisa levada dos diabos, o género gramatical. Chega a ofender. Ainda há dias descobri que, nos Estados Unidos, certo Department of Labor estabeleceu o uso oficial de algumas palavras para designar profissões e postos associados: por exemplo, em vez de fireman estipula firefighter, e police officer em vez de policeman. Coisa oficial. Até sem ser oficial, porque já se diz businessperson em vez de businessman. Estranho que não escolhessem businesswomen para as mulheres de negócios. Donde a preferência pelo neutro? Também temos a palavra «pessoa» em português e não andamos por aí a usá-la para designar o que tanto pode ser homem como mulher. Preferimos até o plural — concedo que muitíssimo neutro, aliás sempre feminino (contra-senso do raio!) —, e dizemos as pessoas, mulheres e homens, crianças e idosos… bom, crianças talvez não, e idosos é sucedâneo para velhos, velhotes, velhadas, e assim. Palavras neutras eliminam a ofensa e o insulto? Ajudam a restringir a discriminação, a desvalorização, o desprezo, a grosseria…? Pode ser. É aliás indispensável que seja, as palavras classificam e ferem, estruturam e ofendem, e animam, impulsionam, etc. Ser discriminado é sempre essencialmente ser chamado isto ou aquilo. Resta saber se a opção pelo neutro por sua vez neutraliza a discriminação. O que é pior: resta saber se há palavras neutras. «Trata-se de pessoa idosa de escassos recursos intelectuais» fica mais inócuo do que «O raio da velha é estúpida como o caraças». Mas não há ali qualquer coisa de excessivamente delicado que lhe dá efeito e encanto? A outra também tem efeito, e vá lá, em certos meios, acham-lhe decerto encanto. Encanto específico, enfim, cada uma no seu modo, cada uma no seu momento, sem que se interpenetrem. Interpenetrar é, por outro lado, verbo que convinha não usar a propósito da diferença entre feminino e masculino. De resto, o sentido da conveniência é por definição incompatível com a linguagem. Por definição, ouviram?

 

Crónica publicada na edição de Setembro da LER.

publicado por Ler às 18:53
link do post | comentar | ver comentários (15) | adicionar aos favoritos
200 mil obras digitalizadas
19 Setembro, 2008

A Biblioteca Nacional de Espanha começa em Outubro a digitalização de 200 mil obras. Tarefa monumental para os próximos cinco anos. Desenvolvimento no El País.

publicado por Ler às 18:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Roth em formato diferente
19 Setembro, 2008

Seguimos a sugestão do Blogtailors e chegámos aqui. O novo romance de Philip Roth, Indignation, em versão especial.

publicado por Ler às 18:35
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
A festa de Paulo Coelho
19 Setembro, 2008

Para festejar os 100 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, Paulo Coelho está a organizar uma grande festa para o dia 15 de Outubro, na Feira do Livro de Frankfurt. Segundo a Lire, haverá champanhe, samba e muito mais.

 

A Pergaminho acaba de editar O Vencedor Está Só, o último livro do escritor brasileiro.

publicado por Ler às 18:27
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Posts recentes

Ser letrado reaccionário ...

Bolsas de criação literár...

Livrarias. Coisas de que ...

Fotografias exemplares, 6...

Fotografias exemplares, 6...

Fotografias exemplares, 6...

Fotografias exemplares, 5...

Mas é a Penguin que vai à...

Amazon e Hachette de braç...

Fotografias exemplares, 5...

Assinaturas
Faça já a sua assinatura aqui.

Contacto

Notícias, rumores, invenções e impropérios para ler@circuloleitores.pt

Pesquisar
 
Lido e publicado

1. Os 50 autores mais influentes do século XX.
2. Dez cidades para visitar com livros debaixo do braço.
3. Charles Darwin, 200 anos depois.
4. «O Magalhães é o maior assassino da leitura em Portugal.»
5. Última entrevista de António Barahona.
6. Inéditos de Fernando Pessoa.
7. John Milton por João Pereira Coutinho.
8. «O meu mal é ter uma curiosidade de puta.»
9. Entrevista Luis Sepúlveda.
10. «Já quase pareço um escritor.»
11. Entrevista Eduardo Lourenço.
12. Breve Introdução à Teoria Literária.
13. Agustina, a indomável.
14. Trinta livros do PNL.
15. Entrevista A. M. Pires Cabral.
16. Dinis Machado: «Só quis escrever um livro».
17. Retratos de um Nobel.
18. Os últimos e-mails de Stieg Larsson.
19. Os 200 anos de Edgar Allan Poe.
20. Knoxville, o território de McCarthy.
21. O bibliotecário ambulante.
22. Dez escritores europeus que (já) mereciam ser traduzidos em Portugal.
23. Entrevista Mia Couto.
24. Entrevista Vasco Pulido Valente.
25. Inéditos Vinicius de Moraes.
26. Os heterónimos de Eduardo Lourenço

Ligações
Arquivo

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

blogs SAPO
Subscrever feeds