Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LER

Livros. Notícias. Rumores. Apontamentos.

Entrevista a Dave Eggers

É coisa rara, mas o The Telegraph conseguiu. Uma entrevista onde o escritor norte-americano fala sobre dois dos seus livros, editados há poucos meses em Portugal: O Que É o Quê (Casa das Letras) - crítica de José Riço Direitinho publicada na LER de Novembro - e O Sítio das Coisas Selvagens (Quetzal) - crítica de Rogério Casanova na edição de Janeiro.

 

Dave Eggers (Boston, 1970) é um dos «meninos de ouro» da nova literatura norte-americana, em conjunto com o imaginativo Jonathan Safran Foer e o eclético Michael Chabon. Jornalista de formação e editor de uma pequena revista cultural, estreou-se nas letras em 2000 com um romance que de imediato o catapultou para as preferências dos leitores e dos críticos, A Heartbreaking Work of Staggering Genius.
O Que É o Quê tem como subtítulo A História de Valentino Achak Deng e o prefácio é escrito por Achak Deng, ele próprio, refugiado sudanês a viver actualmente em Atlanta, revertendo os fundos da venda dos direitos do livro – somos disso informados no final – para várias ONG que trabalham no Sudão. Estes factos poderiam ser despiciendos para uma recensão crítica se não estivéssemos perante um livro que se assume como «romance». Ora quais são então aqui os limites entre ficção e não-ficção? Diz-nos Achak Deng, no prefácio, que durante anos contou oralmente a sua história ao autor e que «este livro é o retrato emotivo da minha vida». Ora é nas emoções (que o escritor não viveu) que se encontra a ficção, e isso nota-se. Pois este romance intenso – ao mesmo tempo picaresco e épico – consegue fazer-nos sentir, de maneira quase vívida, o que é viver noutra cultura. São os mecanismos da ficção que nos fazem entrar na vida do «outro». Com lirismo e precisão nos detalhes, Eggers conta-nos da solidão, do medo, da fome, da doença, dos ataques de animais selvagens, da crueldade nas suas formas mais imaginativas, narrando a vida de Achak Deng durante a guerra civil no Sudão (1983-2005), que teve que deixar a sua aldeia, Marial Bai, quando esta se transformou num campo de batalha entre forças governamentais e soldados rebeldes, quando chegaram os helicópteros e foi queimada e ocupada. Com este «menino perdido» (assim são nomeadas as dezenas de milhares de crianças que se viram apartadas dos pais) visitamos um campo de refugiados na Etiópia e outro – vastíssimo – no Quénia; mais tarde estamos finalmente em Atlanta, onde ele tem uma casa mobilada com dádivas da Igreja Metodista e um emprego na recepção de um health club.
Com inegável talento, Dave Eggers consegue passar para a narrativa a elasticidade necessária para que a história viaje do presente para o passado e vice-versa sem perturbar a atenção do leitor. Este romance singular, apesar de todas as tragédias, não é depressivo nem horrífico, antes se apresenta como um verdadeiro acto de fé e de esperança. José Riço Direitinho [LER nº 85]

Parceria Leya/Barata

«O grupo Leya e a livraria Barata estabeleceram uma parceria para a exploração daquele espaço da Avenida de Roma, em Lisboa. O acordo tem como objectivo a revitalização e dinamização da conhecida livraria, um dos ícones do universo livreiro da capital, e prevê, igualmente, a instalação, no piso -1, da "Loja do Professor", espaço que será dedicado aos professores e às editoras escolares integradas na Leya - Asa, Gailivro, Novagaia, Texto e Sebenta.» Mais informações aqui.

Pág. 1/7