Quinta-feira, 31 de Maio de 2012
LER já nas bancas!
31 Maio, 2012

 

«A marca de um verdadeiro crítico é a conversão de opinião em conhecimento. Acho que faço isso, o que não quer dizer necessariamente alguma coisa, visto eu estar tanto na sombra de Johnson, Hazlitt e Walter Pater. No entanto, a verdade é que estou sempre na e sob a influência de Shakespeare, Hart Crane, Wallace Stevens e Walt Whitman. Sobretudo esses quatro. São para mim os poetas entre os poetas.» O decano da crítica literária norte-americana completa 82 anos em julho e mantém a sua rotina de professor na Universidade de Yale. Após The Anatomy of Influence, publicado em 2011, escreve agora as suas memórias de leitor em The Hum of Thoughts Evaded in the Mind«Sou um dinossauro. Sou um retrógrado. Sou do século XIX e estamos agora no século XXI. Se alguém quisesse realmente apontar uma razão para ler The Anatomy of Influence, talvez dissesse: "Este é um tipo que podia muito bem viver em 1893".»

 

A mais recente tentativa de golpe militar na Guiné-Bissau apanhou Pedro Rosa Mendes de saída para Moscovo para investigar os arquivos soviéticos sobre alguns dos acontecimentos marcantes daquele país africano. Nesta edição publicamos o seu diário exclusivo de histórias, descobertas, cruzamentos e personagens da primeira viagem à Rússia, nos dias em que «Putin III» regressava ao poder. 

 

Se antes sintonizavam a antena nas séries Espaço: 1999Twin Peaks ou Verão Azul e em novelas como Tieta e Roque Santeiroo que veem hoje AfonsoCruz, Valter Hugo Mãe, Dulce Maria Cardoso, David Machado, Manuel Jorge Marmelo, João Ricardo Pedro e Patrícia Reis? E de que forma a televisãoainda os influencia? Respostas em formato 7x7.

 

Trezentos anos após o seunascimento, Jean-Jacques Rousseau permanece um dos mais controversos contribuidores da grande história das ideias. Com as comemorações, renasce o debate sobre a importância e atualidade dos pensamentos do cidadão de Genebra.

 

«Sei que algumas tribos da poesia não gostam nada de mim, mas devodizer que isso me é completamente indiferente. Já várias vezes vi textos deles que criticam muito negativamente a minha poesia. Julgo que isso é mais um complexo de Édipo do que outra coisa. A única coisa que eu tenho a dizer a esse respeito é que vão chamar pai a outro.» Nuno Júdice, entrevistado por Carlos Vaz Marques, a propósito do seu mais recente livro de poesia, Fórmulas de Uma Luz Inexplicável.

publicado por Ler às 10:58
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 30 de Maio de 2012
Paula Rego e um conto de Balzac
30 Maio, 2012

 

Exposição «Balzac and other stories», de Paula Rego, em Londres até 30 de junho.

publicado por Ler às 17:14
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
LER no Chiado
30 Maio, 2012

 

A LER no Chiado evoca Vergílio Ferreira através de um debate com Hélder Godinho, coordenador do grupo que trabalha o espólio do autor de Manhã Submersa, Virgílio Kasprzykowski, psiquiatra e filho de Vergílio Ferreira, e Paulo Ferreira, consultor editorial e leitor apaixonado da obra do escritor. Dia 1 de junho, sexta-feira, às 18h30, na Bertrand do Chiado. Moderação de Anabela Mota Ribeiro.

publicado por Ler às 12:44
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quem é o próximo entrevistado da LER?
30 Maio, 2012

«A marca de um verdadeiro crítico é a conversão de opinião em conhecimento. Acho que faço isso, o que não quer dizer necessariamente alguma coisa, visto eu estar tanto na sombra de Johnson, Hazlitt e Walter Pater. No entanto, a verdade é que estou sempre na e sob a influência de Shakespeare, Hart Crane, Wallace Stevens e Walt Whitman. Sobretudo esses quatro. São para mim os poetas entre os poetas.» A entrevista há muito esperada pela LER de um outro «mestre do nosso tempo» (a par de George Steiner). Sexta-feira nas bancas de todo o país. Verdadeiramente imperdível.

publicado por Ler às 10:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Terça-feira, 29 de Maio de 2012
Participe no debate!
29 Maio, 2012

Um dos leitores da LER pode fazer parte da mesa «A LER POR QUEM A FAZ. A LER POR QUEM A LÊ», ao lado de João Pombeiro (diretor da LER), Dina F. da Silva (livreira da Poetria), Manuel António Pina (escritor) e Guilhermina Gomes (diretora editorial do Círculo de Leitores), no dia 3 de junho, às 17h30, na Feira do Livro do Porto (auditório da APEL). Para tal, deve enviar até sexta, às 13h, um texto curto sobre os 25 anos da LER (máximo de 1000 caracteres) para o e-mail ler@circuloleitores.pt, acompanhado de nome, morada e número de contacto. O texto escolhido será lido no dia 3 e o vencedor participará no debate.

publicado por Ler às 14:09
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
LER na Feira do Livro do Porto
29 Maio, 2012

Convidada pela organização da Feira do Livro do Porto, que decorre de 31 de maio a 17 de junho na Avenida dos Aliados, a LER marca presença com duas mesas:

 

Dia 2 de junho

18h, Auditório APEL

OS LIVROS E A REVISTA LER

Bruno Vieira Amaral, Dóris Graça Dias, Filipa Melo, José Mário Silva

Moderação de João Pombeiro

 

Dia 3 de junho

17h30, Auditório APEL

A LER POR QUEM A FAZ. A LER POR QUEM A LÊ.

João Pombeiro, Dina F. da Silva, Manuel António Pina e Guilhermina Gomes

publicado por Ler às 11:51
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Edição e livrarias em estudo
29 Maio, 2012

Para não se perder entre tantos outros documentos, aqui fica: «Estudo do Setor da Edição e Livrarias e Dimensão do Mercado da Cópia Ilegal», encomendado pela APEL e realizado pelo ISCTE.

Tags:
publicado por Ler às 10:52
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 25 de Maio de 2012
Teatro de leitura na Biblioteca Nacional
25 Maio, 2012


Depois das bibliotecas de Berlim, Buenos Aires e Londres, The Quiet Volume vem para ficar na Biblioteca Nacional, em Lisboa, até 9 de junho, no âmbito do alkantara festival. Este «autoteatro» para duas pessoas de cada vez, criado por Ant Hampton e Tim Etchells, terá sessões de uma hora entre as 14h e as 19h. Os bilhetes custam cinco euros.

publicado por Ler às 16:59
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
O detalhe de Dalton Trevisan
25 Maio, 2012

 

No Brasil, Dalton Trevisan é a grande referência de isolamento, tornando-o um quase mito – recusa até mesmo a fala com seus editores. Envia os originais impressos e só os contata por meio de faxe ou faz telefonemas breves para tratar de questões muito práticas. Fotografias do autor são de uma raridade ímpar − dele, em evidência, fica apenas a literatura, resistindo de todo a associação de seu ofício à ideia de espetáculo.

Nascido em 1925, em Curitiba, região Sul do Brasil, Dalton Trevisan raramente é visto em público, o que lhe valeu o apelido de O Vampiro de Curitiba, título do seu livro publicado em 1965. Veste-se comumente e só tem como particularidade o uso de boné. No mais, felizmente, é sua literatura, que desde o fim dos anos 1950 vem se destacando pela inquestionável inventividade e por um rigor inabalável, ambos lhe garantindo em 2012 o mais importante prêmio de língua portuguesa, o Camões.

Sua obra se caracteriza sobretudo por narrativas curtas, muito bem engendradas, por vezes de intensa violência, mais relacionada ao estilo cortante do que à reprodução de cenas da vida urbana. As frases de seus contos não deixam margem alguma para a dispersão dos leitores e revelam uma perspectiva inquietante e feroz, como «No fundo de cada filho dorme um vampiro» ou «Toda família tem uma virgem abrasada no quarto», ambas do conto «O vampiro de Curitiba».

Incluído na antologia O Conto Brasileiro Contemporâneo, organizada pelo professor Alfredo Bosi, da Universidade de São Paulo, encontra-se ao lado de nomes consagrados, como Clarice Lispector, João Guimarães Rosa e Rubem Fonseca. Para Bosi, o minimalismo de Trevisan «faz de cada detalhe um índice do extremo desamparo e da extrema crueldade que rege os destinos do homem»

 

Excerto do artigo de Eduardo Coelho publicado na edição de junho da LER, brevemente à venda.

publicado por Ler às 16:12
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 17 de Maio de 2012
BD em Beja
17 Maio, 2012

 

Programação para acompanhar aqui

Tags:
publicado por Ler às 18:50
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Bairro dos Livros no Porto
17 Maio, 2012

Um roteiro sexy

publicado por Ler às 18:45
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Carlos Fuentes (1928-2012)
17 Maio, 2012

Uma das últimas entrevistas do escritor mexicano Carlos Fuentes. A Porto Editora anunciou para breve a publicação de dois livros ainda inéditos em Portugal: Contos Naturais e Contos Sobrenaturais.

publicado por Ler às 18:33
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 11 de Maio de 2012
Vamos sair daqui?
11 Maio, 2012

 

 

Os primeiros cinco exemplares da T-shirt da LER serão oferecidos no próximo domingo, último dia da Feira do Livro de Lisboa. Para tal, os candidatos terão de encontrar, a partir das 17h30, no espaço Porto Editora, as duas únicas pessoas que estarão com esta T-shirt vestida (uma delas será a autora da frase impressa, vencedora do passatempo lançado pelo nosso provedor). Não só: terão de aparecer com a edição de maio da LER e levar a resposta certa a esta pergunta: em que texto publicado na revista que está agora nas bancas aparece a referência a Eugénio d'Ors? Superada a prova, os cinco primeiros leitores terão direito a uma T-shirt exclusiva da LER.

Tags:
publicado por Ler às 16:47
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Volta a Portugal 15/25
11 Maio, 2012

 

A LER continua a divulgar a iniciativa 15/25 pelas escolas de todo o país. A 9 de abril, João Pombeiro e José Mário Silva passaram a manhã a falar com dezenas de alunos da Escola Secundária de Mira d'Aire, que desde o início (através do seu professor Jorge Camponês) se mostrou muito empenhada em receber esta Volta a Portugal. Na verdade, continuamos a receber convites para visitar escolas e bibliotecas (convites que devem ser enviados para ler@circuloleitores.pt) e prometemos corresponder a cada um.

Tags:
publicado por Ler às 10:46
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Terça-feira, 8 de Maio de 2012
Capa explicada por quem a fez
08 Maio, 2012

Uma capa ilustrada para um periódico é algo que deixou de ser usual. Raridade por raridade, e a par disso, publicações como a LER também não as há por aí. Posto assim, entre o convite que me chegou e a decisão que respondi não se passou mais tempo que o necessário para visualizar, em traços largos, uma figura saltitante e de rosto vermelho tocando com mais afinco do que talento um bombo e uma tuba ao mesmo tempo, no meu coreto mental. A este instante em estado de glória sucedeu-se a apreensão que a responsabilidade encomenda. Uma capa não é uma página de BD e uma lista de títulos não é uma arquitetura narrativa.

Discutido o conceito com o diretor João Pombeiro e Sara Figueiredo Costa, fiz um esboço, que, entre os três, se moldou e discutiu até uma versão final. A partir do mesmo, abri numa folha branca, maior do que o tamanho impresso da revista, os traços gerais da imagem (uma regra de contração que nem sempre sigo e, por vezes, inverto). Em apoio do desenho, dei alguma atenção a fotos de Enrique Vila-Matas e Antonio Tabucchi e declarei um ou outro suspiro mais delongado a Lispector, invariavelmente elegante em toda e cada foto, talento gémeo, por oposição, ao meu. Entretanto, inscrever-me na Tradição do Lápis Azul comporta o risco de me ver associado a tempos menos entusiasmantes da liberdade de expressão nacional. Na realidade, o lápis azul é um honesto pedaço de ilusionismo gráfico que tem sobrevivido a sucessivas vagas tecnológicas. Uma vez passada uma linha de tinta da china sobre o desenho azul, os traços a lápis são facilmente ignoráveis por vários métodos de reprodução, da litografia aos atuais scanners, isolando assim apenas a arte-final negra, sem o ruído de todos os traços não-eleitos. Uma espécie de iminência parda do espectro a nós visível. Uma vez feitos os scans a preto e branco do desenho e da caligrafia, igualmente feita em tinta da china sobre papel, os ficheiros foram importados para o Photoshop onde os colori unicamente com cores planas. Aliás, feitas as contas e salvo o uso excessivo de borracha, todo o processo é bastante minimal, lápis azul sem PIDE, tinta da china sem régua e Photoshop sem efeitos. Espero que gostem.

 

João Lemos, autor da capa de maio da LER.

publicado por Ler às 12:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Almoço com os leitores da LER (últimos dias para as inscrições)
08 Maio, 2012

Faltam poucos dias. A 19 de maio, regressamos à cozinha de Ljubomir Stanisic, em Lisboa (restaurante Nacional 100 Maneiras, Rua de São Bento, 209) com a promessa de anunciar uma grande novidade sobre a LER, entre outras surpresas. José Eduardo Agualusa, Inês Pedrosa, Eduardo Pitta, Onésimo Teotónio Almeida, Pedro Mexia e Francisco Belard já confirmaram a presença. O preço mantém-se desde o almoço de Guimarães: 25 euros. Os interessados devem ligar para Maria José Pereira (217626115) ou enviar um e-mail para ler@circuloleitores.pt. Inscrições até 15 de maio.

 

publicado por Ler às 11:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos
Posts recentes

Adaptados à «leitura por ...

Quem não quer um biquíni ...

Senha, password ou palavr...

Editorial || Eric Zemmour...

Informação útil: um ameri...

José Gil em Famalicão

Fotografias exemplares, 4...

Seis finalistas para o Pr...

Fotografias exemplares, 4...

Fotografias exemplares, 4...

Assinaturas
Faça já a sua assinatura aqui.

Contacto

Notícias, rumores, invenções e impropérios para ler@circuloleitores.pt

Pesquisar
 
Lido e publicado

1. Os 50 autores mais influentes do século XX.
2. Dez cidades para visitar com livros debaixo do braço.
3. Charles Darwin, 200 anos depois.
4. «O Magalhães é o maior assassino da leitura em Portugal.»
5. Última entrevista de António Barahona.
6. Inéditos de Fernando Pessoa.
7. John Milton por João Pereira Coutinho.
8. «O meu mal é ter uma curiosidade de puta.»
9. Entrevista Luis Sepúlveda.
10. «Já quase pareço um escritor.»
11. Entrevista Eduardo Lourenço.
12. Breve Introdução à Teoria Literária.
13. Agustina, a indomável.
14. Trinta livros do PNL.
15. Entrevista A. M. Pires Cabral.
16. Dinis Machado: «Só quis escrever um livro».
17. Retratos de um Nobel.
18. Os últimos e-mails de Stieg Larsson.
19. Os 200 anos de Edgar Allan Poe.
20. Knoxville, o território de McCarthy.
21. O bibliotecário ambulante.
22. Dez escritores europeus que (já) mereciam ser traduzidos em Portugal.
23. Entrevista Mia Couto.
24. Entrevista Vasco Pulido Valente.
25. Inéditos Vinicius de Moraes.
26. Os heterónimos de Eduardo Lourenço

Ligações
Arquivo

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

blogs SAPO
Subscrever feeds